sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

do carnaval

quando era miúda até gostava de me mascarar e vibrava um bocado com os papelinhos, as serpentinas e as pistolas de água. à medida que fui crescendo, para mim, o carnaval perdeu um bocado a graça. a última vez que me mascarei porque quis mesmo, foi há 6 anos, mesmo antes de descobrir que a MR estava grávida de 6 meses (eu e toda a gente. hoje, o baby é a coisa mais boa de todo o sempre). depois disso, mascarei-me porque estava em casa de uma amiga a passar uns dias e não lhe podia fazer a desfeita.
há muito que acho que o carnaval é para os miúdos, e hoje em dia, quando penso em mascarados que estão irreconhecíveis, e que se vão meter com as pessoas (que acabam por ficar à nora por não saberem quem é que lhes estão a tocar, a mexer, whatever), fico arrepiada. odeio que pessoas que não conheço me mexam, e se as que conheço estão irreconhecíveis, é como se não as conhecesse. e não, não é giro nem engraçado andar a meter-se com pessoas que nunca vão saber quem nós somos.
depois há outra vertente que descobri hoje: miúdas que vão não para o infantário, não para a escola primária, não para o ciclo nem tão pouco para o liceu mascaradas. vão sim para um estabelecimento de ensino superior mascaradas de sexy nurses, sexy cowgirls (ou então elas pensam que estão sexys. ou então até estão, tendo em conta os comentários dos senhores da construção civil que habitam na minha rua há uns tempos. ou se calhar não estão sexys, mas as mini mini saias com botas ou meias até ao joelho disfarçam bem o ar de quengas que elas trazem em cima).
primeiro que tudo, o carnaval não é só para a semana? e segundo, não estão elas já na idade de não irem para um estabelecimento de ensino superior com coisas destas?
é por estas e por outras que acho que devia ser proibida a entrada de crianças nas universidades.

6 comentários:

disse...

Passei uns tempos sem me mascarar. Talvez naquela altura em que precisava afirmar-me e acreditar que era “demasiado crescida” para estas coisas :p
Contudo, um grupo animado numa festa decente fazem toda a diferença, descobri. E acho que redescobri a graça que isto tem.

Agora...isso de ir para a faculdade mascarada é vergonha que nunca me passaria pela cabecinha. Há hora e lugar para tudo e certamente esse não é o contexto certo para ser uma sexy nurse!

Para mais, concordo TANTO com a parte das pessoas que se metem umas com as outras. Deslarguem-me! Cresçam e desapareçam...

Maria disse...

Também acho que os adultos mascarados, por vezes caem no ridiculo.. Mas.. são gostos..:)
bjnhoo.

Tita disse...

Há pessoas, como as de que falas, que utilizam o carnaval para poderem vestir aquilo que gostariam de vestir todo o ano mas não podem... Parece mal...
Bom Carnaval, apesar de que também não gosto. Mas descansa-se.

José disse...

Eu hoje levei serpentinas para o trabalho. E atirei algumas.

On another note: a palavra "quenga" é muito engraçada. Já há muito tempo que não a ouvia.

Madame Butterfly disse...

Quando era miúda também adorava o Carnaval. Depois passei a detestar e ninguém me apanhava fora de casa nesta altura.Entretanto voltei a gostar. Ou faço um esforço, vá...já que se ficar em casa enquanto os meus amigos se divertem à grande, também não fico com grande estado de espírito. Como se diz por estes lados: se não podes vencê-los, junta-te a eles! :)))

Joaninha disse...

Este ano não estou a sentir o Carnaval, não sei porquê...tenho-me mascarado todos os anos com os meus amigos e vamos sair à noite e tal, mas este ano não me apetece, não estou com disposição e isto está-me mesmo a irritar!
Eu também ODEIO que estranhos me toquem e detesto que se venham meter comigo, por isso pelo sim pelo não este carnaval vou trabalhar ah ah ah
Essas meninas, coitadinhas, sentem uma necessidade estupida de se exporem, de se mostrarem...um dia pode ser que pensem na vidinha, nos entretantos correm graves riscos de adoecer :p
beijinho