terça-feira, 10 de março de 2009

mais um dia lindo de morrer. mais um céu azul azulão, sem vestígios de nuvens. mais uma temperatura que faz com ninguém queira por os pés em qualquer sítio onde se trabalhe.
saio do edifício onde trabalho para ir ao bar comer qualquer coisa (vulgo um kitkat senses e um twix - ninguém me manda não ter levado mais bolachas integrais, não é?) e sinto o sol na cara. sinto o calor no corpo. e fico sem vontade de voltar para as minhas funções. só já penso nas noites amenas que se aproximam, o que vai equivaler a noites de esplanadas, de janelas abertas, noites boas.

mais um dia lindo de morrer.

7 comentários:

Um gajo qualquer... disse...

Do que me foste lembrar... as noites boas, de esplanada, de conversa com os amigos, de curtir o luar... saudades.

;)

disse...

Nem me digas nada!
E eu que trabalho junto à janela com o sol a convidar-me constantemente (e às vezes agressivamente, quando me acerta em cheio na cara)!

Alexandra disse...

As vezes que eu hoje vim à porta, apanhar solinho, quando não tinha nada que fazer.
Sabe tãooooo bem :)

*

Saltos Altos Vermelhos disse...

porra que vizinha! lol

Madame Butterfly disse...

Valha-nos o sol, as esplanadas, o Verão, a praia e as noites quentes. Que voltem depressa! (mas esta amostrinha já sabe muito bem!)

Joaninha disse...

Ontem à noite apeteceu-me taaaaanto uma mini numa esplanada...estava tão bom...vi a novela e fui-me deitar ah ah ah

A mais velha disse...

o espaço de trabalho onde passo grande parte do tempo (espaço esse que não é meu, é emprestado, porque não há mais nenhuma secretária vazia) é pequeno, cheira a remédio e chama-se enfermaria. Tem uma janela a dois metros da qual se encontra um muro altíssimo que me tapa o Sol todo!... :( tenho que estar de luz ligada todo o dia!... :( é verdade... por isso, hoje, que estive a fazer umas coisas à mão, decidi ir trabalhar para o salão, muito mais bem iluminado, com Sol do verdadeiro, bom e quentinho! abanquei numa das cadeiras e... foi o caos... as folhas caíam, a letra saía toda torta, o barulho perturbava q.b. ... mas não desisti!... excepto quando as costas já me doíam tanto, que estavam mesmo a pedir pela cadeira de rodinhas e pela secretária da enfermaria... lá fui eu passar a última horinha do dia de trabalho... mas acredita que foi a dor de costas que mais valeu a pena até hoje! :D