sábado, 15 de janeiro de 2011

parva sou eu

ao longo dos últimos anos, tenho-me lembrado sempre de amigos para trabalhos que sei que ficam disponíveis, mesmo que não sejam na área desses mesmos amigos.
se não estão a fazer nada, se precisam de ganhar uns trocos, se estão fartos da vidinha que estão a levar, eu lembro-me deles, e ligo, e explico o que é preciso, arranjo entrevistas, whatever it takes.
até hoje, nunca tive uma resposta positiva por parte de qualquer um desses amigos de quem me lembrei. porque se ganhava pouco, porque não se viam a fazer o trabalho que eu arranjava, porque isto, porque aquilo.
há pouco tempo, pessoa X ficou sem emprego. perspectivas de arranjar qualquer coisa em portalegre? nenhumas. zero, mesmo. nem trabalhos ocupacionais do centro de emprego. ofereci emprego, ofereci casa (ou cama na minha casa, até se orientar em lisboa), ofereci tudo. só não ofereci mais, porque não tinha mais para oferecer. a meu ver, portalegre já lhe deu tudo o que tinha para dar. coisas boas e más. e acho que estava na hora de pessoa X mudar de vida radicalmente.
ontem voltei a insistir, mas a resposta foi mais um não, porque a partir do momento em que for para lisboa, se acaba portalegre de vez. e é mau? portalegre tem alguma coisa para lhe oferecer? nem emprego, nem trabalho, nem família, nem nada.
e chateia-me que pessoa X seja a primeira a dizer que prefere ficar cá, sem fazer nada, a receber do centro de emprego. chateia-me tanto, que tive de ir embora do meu sítio preferido cá na terra, para não me chatear a sério.

assim tipo a sério... tenho é de deixar de ser parva.

3 comentários:

Maga P. disse...

Mentira...Eu já aceitei. E continuo cá, de pedra e cal! :)

Madeline disse...

Engraçado.. podia ter feito um post assim parecido por volta do ano 2006/2007. Agora percebes como me senti. É lixado, não é? :P

P. disse...

@maga p: eu sei que sim, e gosto mutito de ter cá ;)

@madeline: tirando a parte que isto me acontece vezes se conta, com pessoas diferentes e eu continuo a inventar coisas.. sim :)